sexta-feira, 30 de julho de 2010

18º Domingo do Tempo Comum: A partilha e o amor são sinais sensíveis da presença de Deus


Lucas 12,13-21 – A ganância afasto o coração do homem do amor de Deus! 

Maringá vai sediar encontro da Pastoral de Liturgia e Canto do Regional Sul 2

Todos os anos é realizado no Regional Sul 2 da CNBB (Paraná), um encontro dos assessores, coordenadores e membros da Pastoral de Liturgia e Canto do Paraná. Nesta semana o mesmo ocorreu na cidade de Apucarana, com cerca de 40 pessoas representando 12 dioceses que se fizeram presentes. O objetivo deste encontro foi refletir sobre a importância da Liturgia na vida da Igreja e partilhar as experiências realizadas por cada diocese, seus desafios e suas conquistas.

Para o próximo ano, a anfitriã do encontro será a arquidiocese de Maringá (PR). “Abriremos as portas de nossa casa para acolher os irmãos e as irmãs, vindos de todos os cantos de nosso estado. Refletiremos sobre o tema: Mistagogia do Espaço Sagrado. Desde já nos preparemos para este grande momento e contamos com a intercessão de Nossa Senhora da Glória”, destacou o assessor da Pastoral de Liturgia e Canto da arquidiocese de Maringá, padre Renato Quezini.

domingo, 25 de julho de 2010

Vocação: "Dom" de Deus


A palavra “vocação” significa “chamado”. É Deus quem nos chama e nos convida a uma vocação que em si carrega um sentido muito especial: um chamado à missão, ou seja, a evangelização. Deus nos chama através dos acontecimentos da história e também por meio de pessoas que em seu coração e inspiradas pelo Espírito Santo de Deus nos leva a refletir sobre o chamado que Ele tem guardado a cada um de nós. Por isso, Deus chama quem, como e quando quer. Três são os estágios da vocação: vocação à vida; vocação à família; e, vocação específica.

Vocação à vida simboliza tanto o ato do nascimento de uma nova vida como sua consagração a Deus por meio do Batismo que nos torna seus filhos e desde, então, cristãos responsáveis pelo trabalho de evangelização, testemunhado os valores evangélicos, fazendo exalar o odor de Cristo a fim de anunciá-lo a todas as pessoas.

Vocação à família representa que não estamos sozinhos no mundo e nem mesmo “caímos do céu”, pelo contrário somos membros de uma família que deve ser o campo gerador do amor, da fé e da justiça, criando laços de estreita intimidade com Deus por meio do diálogo e do entendimento, pois é do amor familiar que se nutre a Igreja que quando se reúne para celebrar o amor de Cristo por nós forma uma única e grande família em torno do Mistério Pascal de Cristo.

Da vocação à vida que nos conduz à vocação familiar somos nutridos e conduzidos a viver uma vocação específica, ou seja, descobrir qual o projeto que Deus tem a realizar por nós e em nós no meio da humanidade. Nesse sentido, a vocação específica nada mais é do que refletir os diversos carismas existentes na Igreja à luz da oração e do encontro pessoal com Deus a fim de discernir um chamado que por Ele nos é feito para segui-lo e servi-lo de uma forma particular seja como casais por meio do matrimônio, religiosos, missionários, padres e, até mesmo como leigos consagrados ao serviço da Igreja que se dedicam à evangelização dando seu testemunho através da vivência dos valores cristãos da pobreza, castidade e obediência.

O verdadeiro cristão sente-se vocacionado de Deus não só por ser padre, religioso ou algo do tipo. Sente-se vocacionado de Deus o cristão que verdadeiramente busca-se nutrir do sacramento da penitência e, sobretudo, da Eucaristia centro e ápice da vida cristã. Você sabe qual é a sua vocação? Ser padre? Ser religioso (a)? Ser missionário (a)? Ser leigo (a) consagrado (a)? Casar? Antes de tudo, é preciso ser antes vocacionado ao amor, pois aquele que não ama não saberá servir e, muito menos, testemunhar o Evangelho de Cristo, pois a base de toda e qualquer vocação é o amor a Deus e ao próximo.

“No coração da Igreja serei o amor” (Sta. Teresinha do Menino Jesus). Só seremos o amor no coração da Igreja quando o frutificarmos em serviço, pois assim descobriremos que “quem não vive para servir, não serve para viver”, pois quem serve ama, quem ama serve e quem é discípulo do amor descobre que é missionário para servir e amar testemunhando e anunciando Cristo a fim de que “Ele seja tudo em todos” (Cl 3,11).

Vanilson dos Santos Rigon
Seminarista 1º ano de Teologia

domingo, 11 de julho de 2010

Semana Vocacional


Nesta semana, do dia 11 ao dia 18 de julho, todos os seminaristas da Arquidiocese de Maringá estarão nas comunidades paroquiais de nossa Arquidiocese realizando a chamada Semana Vocacional.

O objetivo dessa semana vocacional é tornar conhecido por meio da presença dos seminaristas a vocação presbiteral a qual todos estão em período de formação. Nossos seminaristas estarão presentes em várias comunidades paroquiais em pequenos grupos ou em duplas realizando visitas, encontros e celebrações com o estilo vocacional.

De certo, cada um de nós iremos junto as comunidades falar da vocação à vida, à família a qual todos somos chamados, contudo sempre deixando nosso recadinho aos jovens para que esses despertados por nossa presença ouçam o chamado de Cristo e venham fazer um discernimento vocacional em nosso seminário.

Que essa semana vocacional seja um momento rico para nossa formação rumo ao presbitério, onde junto com as comunidades possamos vivenciar o amor do povo pelo padre e acima de tudo sendo sinais de Cristo no meio do povo.

Aos nossos seminaristas, o desejo de que sejam verdadeiros exemplos e presença viva de Deus para que assim despertem novas e santas vocações para a Igreja que está em Maringá.

A todo povo de Deus muita paz  e as bençãos de Deus. Aos nossos seminaristas perseverança e bençãos de Deus para que sejam verdadeiros anunciadores do Evangelho e, acima de tudo, pescadores de homens (cf. Lc 5,10).

"Lançai as redes em águas mais profundas" (Lc 5,4)

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Dom Dimas exorta seminaristas a seguirem exemplo missionário de São Pedro e São Paulo


Na missa de abertura do 1º Congresso Missionário Nacional para Seminaristas, o secretário geral da CNBB, dom Dimas Lara Barbosa, exortou os seminaristas a assumirem a missão com a mesma fidelidade e coragem dos apóstolos Pedro e Paulo. A celebração começou às 19h deste domingo, 4, na capela do Seminário Maior Nossa Senhora de Fátima, da arquidiocese de Brasília, sede do evento.

O Congresso reúne 160 seminaristas de todo o Brasil, além de alguns formadores. Organizado pelas Pontifícias Obras Missionárias (POM), Centro Cultura Missionário (CCM) e pelas Comissões para Animação Missionária e para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada, ambas da CNBB, o encontro prossegue até sábado, 11, e vai debater a formação missionária dos futuros padres.

“Na festa dos apóstolos Pedro e Paulo, queremos pedir fidelidade a Jesus Cristo, a partir de um encontro pessoal com o Ressuscitado e coragem para estarmos disponíveis ao testemunho”, disse dom Dimas.

O secretário ressaltou as diferenças dos dois apóstolos, mas destacam que ambos tinham em comum o ardor missionário. “Somos chamados a testemunhar a mesma fé ensinada por estes dois apóstolos”, acrescentou.

Segundo dom Dimas, os cristãos fazem parte da missão “que brota da Trindade”. Para ele, é preciso muito cuidado na inculturação exigida pela missão. “A missão é chamado de Deus. É preciso cuidado com os ‘achismos’ no processo de inculturação que não é fácil. A pressa na inculturação pode fazer do missionário uma pedra de tropeço”, alertou.