sábado, 31 de dezembro de 2011

Em 2012 a esperança se renova



Mais um ano se encerra, mais um ano começa. Há festa em todos os lugares, o mundo se une para juntos fazerem a contagem regressiva: 5, 4, 3, 2, 1 e dizer FELIZ ANO NOVO. Muitos champanhes são estourados com o sentimento de alegria. De fato, a virada de ano simboliza na vida de cada pessoa uma passagem grandiosa, como se todos os problemas fossem desaparecer, como se as dores sumissem à meia-noite, como se as dívidas fossem pagas ao dizermos 5, 4, 3, 2, 1... Por um momento, tudo isso parece acontecer na vida de todos nós. Pois realmente, nos esquecemos de todas essas situações que são muito próprias da nossa vida.

Entretanto, ao se encerrar as festas, ao acabarem os muitos champanhes, ao voltarmos para casa nos daremos conta de que os problemas, as dores, as dívidas continuam junto de nós. E assim percebemos que seja ano velho, seja ano novo continuamos a ser quem somos com alegrias e tristezas. Vivemos todas essas festas como se ao iniciarmos um novo ano nada mais nos atingisse. Mas então, o que nos garante que o novo ano seja tão bom? Porque pensamos que nada de ruim irá nos acontecer a partir de agora? O que nos faz acreditar que o próximo ano será melhor do que esse?

Muito bem, para quem tem fé, no texto de 2Cor 12,1 podemos encontrar a resposta para todas essas questões: “A minha graça te basta”. É a graça de Deus que nos faz crer que tudo será melhor, que tudo irá se renovar. Pois realmente quando nos vemos diante dos desafios e fraquezas de nossas vidas ouvimos a doce voz de Cristo que noz diz: “Eis que estou convosco todos os dias até à consumação dos séculos” (Mt 28,20).

Caríssimos, que ao nos darmos conta de que mesmo no novo ano às dificuldades persistirão em nossas vidas, também nos demos conta de que mais que tudo isso a graça de Deus persisti em estar conosco.

Que 2012 possa ser o ano da Fé, como fora proclamado pelo Papa bento XVI, mas não por mera casualidade, mas por amor a Deus e ao próximo. Que vivamos intensamente os últimos momentos desse dia 31 de dezembro de 2011 para que ao começarmos o dia 1 de janeiro de 2012 possamos olhar para trás não com saudades do que se foi, mas com esperanças pelo que há de vir sabendo que não estamos sós no caminho de Deus.



Virgem Maria, Mãe de Deus e nossa, nos conceda por seu amor materno sentirmos em nosso coração o coração de seu Filho Jesus Cristo que vindo ao mundo brilhou como luz de amor e esperança para todos nós. Que ainda vivendo a graça desse Natal não nos esqueçamos que tudo o que temos é pela graça de Deus que conosco quer estar em 2012.

Muito bem, 5, 4, 3, 2, 1... FELIZ ANO NOVO cheio do mais pleno e real amor de Deus. Que 2012 nascendo para nós sob o alicerce da FÉ preencha o nosso coração com muitas alegrias e, que junto à nossa família e amigos renovemos a esperança de um mundo melhor tendo a consciência de que somos responsáveis pela construção desse mundo tão sonhado por Deus para cada um de nós.

E que juntos mais uma vez possamos cantar alegremente:

"Este ano quero paz no meu coração. Quem quiser ser meu amigo, que me dê a mão. O tempo passa e com ele caminhamos todos juntos sem parar, nossos passos pelo chão vão ficar. Marcas do que se foi, sonhos que vamos ter. Como todo dia nasce novo em cada amanhecer!"

Um 2012 repleto de muitas conquistas,
são os votos dos Seminaristas da Arquidiocese de Maringá.

sábado, 24 de dezembro de 2011

É Natal!!! É Jesus que nasce em nossas vidas

"Hoje vos nasceu na Cidade de Davi um Salvador, que é o Cristo Senhor".(Lc 2,11)



Em meio a escuridão do orgulho, da inveja, da mentira, da violência, uma Luz resplandeceu e, do meio das Trevas, uma Luz brilhou tão forte que todos A vieram contemplar. É noite de alegria. É NATAL.

O Menino Jesus, o Emanuel, o Deus-conosco nasceu. Nasceu para nos ensinar que desde o pecado de Adão todos sofriam por más escolhas, mas agora tudo mudaria para melhor.

O Cristo Jesus, Unigênito do Pai, Deus de Deus, Luz da Luz, Deus Verdadeiro de Deus Verdadeiro, veio ao mundo para nos trazer a salvação. Veio ao mundo para dar amor aos que sofrem o abandono e o esquecimento imposto pela sociedade. Veio dar ao mundo, o que o mundo pela própria ganância esqueceu, a VIDA.

Mais uma vez é NATAL. E como você se preparou para viver esse momento? Você rezou? Você agradeceu a oportunidade de ver o nascimento de Cristo estando ao lado de sua família? Se não, ainda há tempo. Junto a sua família agradeça a Deus tal oportunidade. Olhe com misericórdia os mais necessitados e não se esqueça: JESUS, O SALVADOR QUER FICAR JUNTO A VOCÊ EM SEU CORAÇÃO. E você o que quer de Natal? Que o maior presente desse Natal a você e sua família seja a real e verdadeira preseça de Deus em vossas vidas fazendo transbordar o seu amor que vem do céu inundando a terra inteira.

Que Maria traga a nós o Filho de Deus e que Ela nos dê a graça de sentir vivamente o amor do Menino Jesus em nossas vidas.


Um Santo Natal a todos e que o Menino Jesus possa nascer em cada lar,
em cada vida na nossa história.
São os mais sinceros votos de todos os Seminaristas da Arquidiocese de Maringá
a você e sua família!

sábado, 10 de dezembro de 2011

Padres são os mais felizes em sua função segundo pesquisa

"O site da revista Forbes divulgou uma lista das dez profissões que mais contam com pessoas felizes e das dez carreiras que tornam os seus profissionais pessoas infelizes. O ranking é resultado de uma pesquisa realizada pela Universidade de Chicago, nos Estados Unidos.

Um dado que surpreende é que a lista das carreiras que proporcionam menos alegrias está recheada de cargos de grande reconhecimento e bons salários; diferentemente da lista dos mais felizes, cuja remuneração não atinge patamares tão altos.

Os clérigos, por exemplo, ocupam o primeiro posto da lista dos mais felizes."

Fonte: http://estilo.uol.com.br/comportamento/ultimas-noticias/2011/12/09/lista-aponta-quais-as-profissoes-mais-felizes-e-infelizes.htm

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Ordenação Diaconal de Rodrigo Gutierrez Stabel



Arquidiocese de Maringá comunica que a ordenação diaconal do seminarista Rodrigo Gutierrez Stabel será sábado, 17 de dezembro, às 19h30 na Catedral Basílica Menor Nossa Senhora da Glória. Todos estão convidados a participar deste momento festivo para a Igreja Católica.

Como lema de seu ministério diaconal, escolheu o texto de Jo 13,1 : "Até o extremo os amou".

Que amando a Deus e a Igreja seu minstério seja fecundo e repleto das graças de Deus. Conte sempre com nossas orações. Parabéns.

São os votos de todos os Seminaristas da Arquidiocese de Maringá!!!

domingo, 16 de outubro de 2011

Padre Reginaldo Lima, descanse em paz!!!

É com pesar que a Arquidiocese de Maringá comunica o falecimento do padre Reginaldo Lima. O sacerdote, que nos últimos anos exerceu os cargos de Assessor da Comissão Episcopal Pastoral para os Ministérios Ordenados e Vida Consagrada da CNBB e de Secretário do Regional Sul 2 da CNBB, estava internado na Santa Casa de Maringá.

De acordo com boletim médico a causa da morte, constatada às 21h38 dessa sexta-feira, 14, foi falência múltipla dos órgãos decorrente de uma infecção respiratória. O corpo do sacerdote será velado na manhã deste sábado na paróquia São Paulo Apóstolo em Sarandi (Jardim Independência) com missa de corpo presente às 10h. A partir das 12h o corpo será velado na paróquia São Francisco Xavier em Maringá, como missa de corpo presente às 15h. Às 16h será realizado o sepultamento no cemitério Rainha da Paz – Rua Distrito Federal, 1089, em Maringá.

Reginaldo Lima, nascido a 10 de outubro de 1973, em Jandaia do Sul no Estado do Paraná. Ingressou no Seminário Provincial Bom Pastor de Umuarama a 04 de Março de 1992. Em fevereiro de 1993 inicia seu curso de filosofia no Seminário Interdiocesano Nossa Senhora da Glória de Maringá. Concluindo a 02 de dezembro de 1995. No ano de 96 inicia no curso de Teologia no CINTEC (Centro de Teologia de Cascavel) concluindo-o a 10/12/99.

Reginaldo recebeu o ministério de Leitor no dia 06/07/97, na Paróquia Catedral Basílica Menor Nossa Senhora da Glória, das mãos de Dom Jaime Luiz Coelho. E o Ministério de Acólito na Paróquia Jesus Bom Pastor de Paiçandu a 26/07/98. E no dia 27 de Abril de 1999 foi acolhido como candidato oficial ao ministério sagrado pelo Rito de Admissão, por Dom Murilo S.R. Krieger.

No dia 17 de dezembro de 1999 na Paróquia de Marilava, recebeu a Ordenação Diaconal pela imposição das Mãos de Dom Murilo, passando a exercer seu ministério diaconal na Paróquia Catedral. No dia 20/05/2000, recebeu a ordenação Presbiteral, das Mãos de Dom Murilo. Reginaldo escolheu como Lema de seu Ministério Presbiteral: "Eu devo anunciar a Boa Nova do Reino de Deus, pois é para isso que fui enviado" (Lc 4,43). No dia 21/05/2000, assumiu como vigário paroquial da Catedral Basílica Menor Nossa Senhora da Glória de Maringá.

No dia 15/09/2001 foi nomeado pároco da Paróquia Menino Jesus de Praga e São Francisco Xavier em Maringá, função que tomou posse no dia 07 de outubro de 2001, às 19h00 durante celebração Eucarística na Igreja Matriz. Padre Reginaldo foi nomeado a 13 de outubro de 2005 como pároco da Paróquia Nossa Senhora de Lourdes de Paranacity, função que assumiu no dia 15 de janeiro de 2006, na presença de Dom Anuar Battisti e de vários sacerdotes além da comunidade de Paranacity e diversos amigos de Maringá e Região.

Em Janeiro de 2002, Dom Murilo S.R. Krieger nomeou-o Diretor Espiritual do Colégio São Francisco Xavier.

Padre Reginaldo foi eleito presidente da ASPAM (Associação dos Presbíteros da Arquidiocese de Maringá) para o período de dois anos (de 05/2003 a 05/2005) e representante do Clero da Arquidiocese de Maringá para o quadriênio (2004-2007), No Encontro Regional de Presbítero em Pitanga (27 a 30 de outubro de 2003), foi eleito como suplente da Presidência da Comissão Regional de Presbítero para o período de 2004 a 2007. No mês de abril de 2006, foi nomeado secretário da Comissão Regional de Presbítero, para o período de 2006 e 2007.

Membro do Conselho de Presbítero da Arquidiocese deste 2004, foi indicado como secretário do mesmo conselho. Em 17 de fevereiro de 2005, foi apresentado como coordenador da Região Pastoral Centro.

Em Abril de 2005, Padre Reginaldo inicia curso de Mestrado em Direito Canônico pelo Instituto Superior de Direito Canônico de Rio Comprido - RJ, com extensão em Londrina (diploma expedido pela Pontíficia Universidade Gregoriana de Roma).

Dom Anuar Battisti, nomeou dia 12 de junho de 2006, Padre Reginaldo Lima, Defensor do Vinculo e Promotor de Justiça do Tribunal Eclesiástico de Maringá, para um período de 3 anos.

Nos últimos 4 anos, o sacerdote foi Assessor da Comissão Episcopal Pastoral para Ministérios Ordenados e Vida Consagrada da CNBB, em Brasília, deixando o cargo em julho deste ano. A partir desta data ele assumiu o cargo de Secretário do Regional Sul 2 da CNBB. Atualmente morava em Curitiba.



A toda Família Lima as nossas condolências. Que Deus em sua bondade infinita abra as portas de seu Reino para acolhê-lo e que, Nossa Senhora da Glória o conduza para o encontro eterno com o Pai.

Padre Reginaldo Lima, descanse em paz. Jamais cessaremos nossas orações por você. Obrigado pelo exemplo e testemunho de vida e de amor pelo Ministério Sacerdotal.

Seminaristas de Maringá

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Nossa Senhora da Conceição Aparecida: “Eles não tem mais vinho” (Jo 2,3)

Encontrada em 1717 pelos três pescadores Domingos Garcia, Filipe Pedroso e João Alves, que estavam a pescar no Rio Paraíba, localizado no Porto de Itaguassu, Maria, a Senhora de Aparecida, é o esplendor do amor de Deus pelo nosso Brasil. Ela vela por nós e concede a cada dia pela sua intercessão a graça de permanecermos junto ao seu Filho Jesus.

Mas, qual a ligação do título do texto com a Solenidade de Nossa Senhora Aparecida? Em primeiro lugar, o vinho é símbolo da alegria, da festa, do sangue eucarístico, bem como da nova era messiânica já presente na pessoa de Cristo. Assim sendo, nas bodas de Caná, faltou o vinho, a alegria e isso simboliza que a festa deve ser encerrada, mas Maria intercede pelos homens. Num gesto de amor, dom gratuito de Deus, pede a Jesus que lhes dê mais vinho para que a alegria não se acabe e a festa não se encerre (cf. Jo 2,1-11). Da mesma forma, a Senhora de Aparecida revelou-se ao nosso Brasil a fim de renovar-nos as esperanças, mais que isso, sua aparição é sinal vivo e permanente do olhar vigilante da Mãe sobre seus filhos que quando necessitam está por perto para lhes ajudar.

Uma Imagem de cor negra, que é capaz de mostrar a beleza e a riqueza de uma raça oprimida, explorada dedicada a servir os nobres de nosso País. Uma Imagem de cor negra, refletindo o amor de Mãe aos filhos. Uma Imagem de cor negra capaz de libertar da escravidão todos os que a Ela recorrem. Essa é Maria, a Virgem Mãe, Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil.

A devoção a Senhora de Aparecida deve fazer nosso coração arder de amor por Jesus Cristo. Nossa confiança n’Ela depositada deve conduzir-nos Àquele que é o “Caminho, a Verdade e a Vida” (Jo 14,6). “Em Maria, nós cristãos aprendemos a contemplar a beleza do rosto de Cristo e a experimentar a profundidade de seu amor. Através da oração do Rosário, recebemos abundantes graças, como que se a recebêssemos das próprias mãos da Mãe do Redentor” (Documento de Aparecida, n. 271).

Por fim, caríssimos, a Virgem Mãe de Aparecida é o reflexo de todos nós, povo brasileiro. De tudo podemos nos esquecer neste mundo, menos de Maria, pois quando vier o vinho a faltar será Ela a interceder por nós junto a Jesus. Que Ela derrame abundantes graças sobre o nosso Brasil, sobre nossas famílias e, mais que tudo, que Ela derrame sobre nós o amor de seu Filho Jesus Cristo.

Deus nosso Pai, quisestes dar ao povo brasileiro a renovação da fé e da vida por meio de vossa Mãe, sob o título de Nossa Senhora da Conceição Aparecida. Jesus nosso irmão, como Filho, olhastes do alto da Cruz e presenteaste-nos com Maria quando disseste: “Filho, eis aí tua Mãe” (Jo 19,26). Espírito de Deus, que ao vir sobre Maria fizestes com que Ela gerasse e desse à luz o Filho de Deus, fazei com que cada um de nós gere e possa dar a luz a Jesus nesse mundo pela escuta da Palavra e na celebração dos Sacramentos.

Maria, Virgem e Mãe, Senhora de Aparecida, o que podemos lhe dizer? Simplesmente que te amamos, ó Mãe querida, cheia de graças, pois em ti conhecemos a salvação. Que no louvor de nossas vidas Tu sejas sempre lembrada para que nossos corações possa ouvir tua voz que diz: “Fazei tudo o que Ele vos disser” (Jo 2,5).

Neri Dione Squisati
Seminarista 2º ano de Teologia

domingo, 2 de outubro de 2011

“Passarei o meu céu fazendo o bem na terra” (Santa Teresinha do Menino Jesus – Padroeira das Missões)


O mês de Outubro é dedicado a diversas iniciativas que fortaleçam o trabalho missionário de anúncio do Evangelho pelo mundo. Dessa forma, a Igreja convida a todos nós a durante este mês intensificarmos as nossas orações por todas as obras missionárias e a no penúltimo domingo deste mês (dia 23) contribuir com as obras missionárias levando uma pequena doação às missas em nossas paróquias, lembrando que “toda a Igreja é missionária e a obra da evangelização é um dever fundamental do povo de Deus” (Ad Gentes, n. 35). Neste ano, a Campanha Missionária tem como tema Missão na Ecologia e, como lema “A misericórdia de deus é para todos” (Eclo 18,22b).

Nesse espírito de missão, no dia 1º do mês a Igreja nos convida a celebrar a memória de Santa Teresinha do Menino Jesus que, em 1929 foi escolhida como a Padroeira das missões pelo Papa Pio XI. Mas, Santa Teresinha não viveu sua vida dentro de um convento? Como pode então ser considerada Padroeira das Missões? Pois bem, mais do que além-fronteiras o primeiro espaço de missão de cada um de nós é nossa casa. Nesse sentido, Santa Teresinha mostra-nos que toda sua vida foi dedicada à oração pela consagração dos sacerdotes e nisso consistiu sua missão. O exemplo de Santa Teresinha ultrapassou os muros de seu convento, sua missão foi frutuosa, cheia de vida. Cumpriu o seu desejo: “Passarei o meu céu fazendo o bem na terra”.

De fato, Santa Teresinha do Menino Jesus compreendeu bem o que é ser missionário, o que é ter espírito de missão. Como ela mesma dizia: “Ó Jesus, meu amor, encontrei afinal minha vocação: minha vocação é o amor”. O espírito de missão exige tamanha abertura para o novo, exige ternura para o acolhimento do diferente, exige assim como na parábola do Bom Samaritano (Lc. 10,30-37), disponibilidade e vontade de servir, isto é, exige amor. O missionário “deve estar preparado a dedicar a vida à sua vocação, a renunciar a si e a tudo o que até então considerou seu, e a fazer-se tudo para todos” (Ad Gentes, n. 24).

Assim como Cristo foi enviado ao mundo pelo Pai para realizar uma missão que garanta o homem o direito de participação no Reino dos céus, assim Ele envia a cada um de nós quando exclama “Ide, pois, e fazei discípulos meus todos os povos, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a observar tudo quanto eu vos mandei. E eis que estou convosco todos os dias até o fim do mundo” (Mt 28,18-20). Agora é a nossa vez, devemos aceitar o chamado de Jesus e dar testemunho de tudo quanto recebemos da Igreja a fim de que Cristo se torne conhecido por todos.

Caríssimos, para ser um missionário não se faz necessário ser padre, religioso (a), seminarista. Basta amar a Deus, a Cristo e a Igreja. Basta estar aberto ao Espírito Santo deixando com que Ele mesmo ilumine a nossa vida e que a luz que está em nós resplandeça em toda a terra (Mt 5,14-16).São Paulo em sua primeira carta aos Coríntios 9,16 exclama “Ai de mim se eu não evangelizar”. Esse é o sentimento que todos nós deveríamos ter. Todos somos batizados, todos somos responsáveis de fazer o anúncio do Evangelho.

Mais uma vez faço uso dos ensinamentos de Santa Teresinha, Padroeira das Missões: “No coração da Igreja, minha mãe, eu serei o amor e desse modo serei tudo, e meu desejo se realizará”. O que mais dizer a respeito de tão grande missionária? Realmente, a missão começa dentro de si mesmo, fazendo com que o próprio coração seja capaz de aceitar a proposta de amor de Cristo. Com certeza a maior de todas as missões ainda a ser realizadas neste mundo é aquela deixada por Jesus: “Amar a Deus e ao próximo como a si mesmo” (Mc 12,33). Quando compreendermos o tamanho dessa missão e a colocarmos em prática esse será um grande passo rumo a Jerusalém Celeste.

Por fim, falar de missão não é fácil. É mais fácil sê-lo. Você não sabe como? Ame sua família, participe de sua comunidade, seja um verdadeiro testemunho do amor a Deus e ao próximo e com certeza te tornarás um grande missionário. Não são as grandes ações, mas é um grande coração que é capaz de fazer ecoar no mundo a mensagem do Evangelho.

Que pelo exemplo e testemunho de Santa Teresinha do Menino Jesus e de tantos missionários (as) que dedicaram sua vida ao anúncio do Evangelho que cada um de nós se sinta chamados a essa missão e nos coloquemos a serviço de Cristo e da Igreja a fim de que “Cristo seja tudo em todos” (Col 3,11).


 
Neri Dione Squisati
Seminarista 2º ano de Teologia

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

JOVENS PEREGRINOS DO AMOR


Desde o Antigo Testamento encontramos o Povo de Deus peregrinando. Os israelitas deviam ir ao menos uma vez ao ano a Jerusalém, a cidade santa no monte santo de Sião. Ali chegando, deviam ir ao lugar mais santo: o Templo. Nele havia o lugar mais sagrado que existia: o Santo dos Santos, no qual se encontrava a Arca da Aliança. Só o Sumo Sacerdote poderia visitar esse lugar – apenas uma vez ao ano – para oferecer o sacrifício pascal.

Já deu para perceber que o intuito da peregrinação era estar mais próximo de Deus, através de uma experiência com o que há de mais sagrado. Peregrinar é, portanto, ir a um local sagrado e se envolver nessa experiência de Deus! É isso que tantos jovens vão fazer nesse mês de agosto, dentro de poucos dias. Vamos à Jornada Mundial da Juventude, nos encontrar com o Papa, com jovens do mundo inteiro e com nosso Senhor Jesus Cristo. Não vamos apenas fazer turismo, vamos para um Encontro!

Será uma viagem linda, certamente! Aprendemos isso com o nosso querido papa João Paulo II. Ele mesmo peregrinou muitas vezes ao redor do mundo, muitas vezes. Sempre que chegava saudava o lugar com o beijo no solo, como que a consagrar aquele lugar como um solo santo. Também nós, jovens que vamos à Jornada, queremos não só visitar um lugar sagrado, mas tornar santo aquele lugar com a nossa presença e nos encontrar com o Santo dos Santos.

Queremos levar Maria conosco. Que ela nos ensine o que devemos fazer pra seguir Jesus e obedecê-lo com fervor. Seremos mais de 50 jovens de nossa Arquidiocese. Queremos levar todos os jovens daqui para a Espanha conosco e, quando voltarmos, trazer o amor dos peregrinos do mundo todo para nossos irmãos daqui.

Rezem por nós! Estaremos unidos a toda a Igreja de Maringá pela Eucaristia!

Rodrigo Gutierrez Stabel
Seminarista 4º ano de Teologia

segunda-feira, 23 de maio de 2011

O Amor pela Santa Cruz


"No dia 22 de maio celebramos a vida santa da esposa, mãe, viúva e depois religiosa: Santa Rita de Cássia que tornou-se popular pela sua intercessão em casos impossíveis. Nascida em 1381 de uma pobre família que muito bem lhe comunicou à riqueza que é viver o Evangelho.
          Desde pequena manifestava sua grande devoção a Nossa Senhora, confiança na intercessão de São João Batista e de Santo Agostinho.
          No coração de Santa Rita crescia o desejo da vida religiosa, porém foi casada pelos pais com Paulo Ferdinando, que de início aparentava de boa índole, porém começou a se mostrar grosseiro, violento e fanfarrão.
          Santa Rita de Cássia grande intercessora sofreu muito com o esposo, até que este foi assassinado e acabou gerando nos dois filhos gêmeos grande revolta e vontade de vingança.
          Ela se entregava constantemente a oração, e ao testemunho de caridade, tanto que perdoou o esposo e assassinos, mas infelizmente perdeu cedo os filhos.
          Como viúva conseguiu a graça de entrar na vida religiosa. Chagada, e em meio a novas situações humanamente impossíveis, conseguiu superar com a graça de Deus todos os desafios pela santidade" (Fonte: http://www.angelfire.com/ar2/jcarthur/starita.htm - acesso 19/05/11).

Olhando para a vida de Santa Rita podemos tê-la como inspiração de vocação. Sua vida no convento foi de tristeza, abandono e desagrado por parte das irmãs que moravam com ela. Muitas vezes na nossa vida as pessoas nos ignoram nos agridem com palavras, e nós nos deixamos abater com todos esses sentimentos que nos afastam da comunhão e do amor com o próximo.

Diante das situações que vivemos e enfrentamos deixamos a nossa fraqueza e o nosso cansaço vencer, mais Santa Rita apesar de todas as angústias, não deixou morrer o seu amor, amor este que precisa de muita dedicação, fidelidade e sofrimento. E este é o exemplo e a mensagem que esse modelo de santidade nos mostra, que a cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, é a única fonte de inspiração, alegria e esperança para caminharmos rumo à santidade, e que o amor maior primeiramente na nossa vida deve ser à Santa Cruz.

Vinícius Alves Martins
Seminarista 1º ano de Filosofia

quinta-feira, 7 de abril de 2011

O PADRE É COMO UM PAI

No último final de semana de março tivemos o 2º Encontro Vocacional, no Seminário de Maringá. Foi uma grande alegria receber os 13 vocacionados candidatos ao Seminário e 1 pré-candidato. Tivemos momentos muito preciosos juntos, pois o grupo é bastante sério, ou melhor, leva a vida a sério, sem ser carrancudo, é claro!

Agora explico o porquê desse título: um dos nossos vocacionados enviou-me um e-mail, dizendo que se sentiu como um filho. Então parei para pensar que o padre é como um pai e também assim o deve ser para os vocacionados e para quem quer que encontre. Transcrevo um trecho da mensagem que ele me mandou (com autorização do autor):

“Tenho tanto a agradecer a todos que realizam os encontros vocacionais, agradecer o cuidado com os detalhes no seminário, a decoração concordando com o tema, nossas camas arrumadas, uma mensagem para cada participante, as cartas deixadas pelos seminaristas, a comida pronta, o filme escolhido, as fotos reveladas... Enfim, vocês pensam e cuidam para nos acolher como filhos. E é assim que me sinto quando estou com vocês, acolhido como filho. Tento retribuir com minhas humildes orações.”

Também penso que é isso que devemos e precisamos fazer: acolher os irmãos que chegam como filhos, porque eles são filhos, filhos muito amados de Deus! Foi o próprio Jesus quem nos provou isso ao nos dar sua vida e toda vez que se dá na Eucaristia.

Queremos acolher também muitos outros irmãos que vierem. E que venham muitos! A Igreja de Maringá precisa de homens corajosos que ouçam o chamado do Senhor e se disponham com generosidade para servi-lo na Igreja. O próximo Encontro será nos dias 16 e 17 de abril, com início no sábado a partir das 16h00 e término no domingo após o almoço.

O Pai espera por você!

Entre em contato conosco para maiores informações sobre os encontros vocacionais:

Rodrigo Gutierrez Stabel
Seminarista da Teologia

quarta-feira, 6 de abril de 2011

A Tijolada de Deus




Em uma cidade muito bonita existia ali um jovem muito rico, mas soberbo. Que ganhou de seu pai um carro muito bonito era uma Ferrari.

Este jovem como outros gostavam de andar de carro em alta velocidade porque a velocidade nos dá emoção e a adrenalina vai a mil.

Certo dia, enquanto andava por uma rua em alta velocidade escutou que algo havia batido em seu carro.

Parou rápido e quando abriu a porta viu que o que tinha batido em seu carro era um tijolo que alguém havia jogado. Ele ficou irado, bravo, falou mal de tudo quanto sabia. Em sua ira viu um menino que estava perto do cruzamento e de onde o tijolo havia saído foi até ele e começou a despejar palavras e a sua ira dizendo:

— Menino este carro custa uma fortuna, e você com um tijolo fez o maior estrago no meu carro.

O menino em sua simplicidade e chorando, disse:

— Moço faz horas que estou aqui parado fazendo sinal para os carros, mas ninguém me atendeu. E este foi o único jeito que tive de chamar a atenção de alguém. Não foi a minha intenção estragar o seu carro, mas foi de pedir para que você parasse e me ajudasse a levantar o meu irmão que esta ali perto dos carros.

O jovem parou e ouviu atentamente tudo quanto o menino lhe dizia.

— O meu irmão, continuou o menino, estava descendo esta rua e o freio da sua cadeira de rodas quebrou e ele caiu, e eu não consigo levantá-lo, pois é muito pesado para mim.

O jovem do carro se dirigiu até onde estava o menino e quando olhou viu que estava todo machucado e sangrando. Ele pegou o garoto colocou-o na cadeira de rodas e, tirando o seu lenço secou o machucado que o menino tinha e ficou parado.

O menino agradeceu por ter colocado o irmão na cadeira e com um gesto de muito carinho o menino olhou para o jovem e lhe disse:

— Obrigado moço e que Deus lhe abençoe pelo que você fez por nós. Obrigado.

O jovem viu o menino se distanciar com o irmão lentamente e ir para casa. Para o jovem que vivia em alta adrenalina e velocidade a virada para o seu carro demorou muito. Parecia uma eternidade indo para a sua Ferrari; um longo percurso onde quase não conseguia se mover.

O jovem nunca consertou a porta de sua Ferrari amassada. Não porque não tinha dinheiro ou tempo, mas para lembrá-lo de não ir tão rápido pela vida, que alguém tivesse que atirar um tijolo para obter a sua atenção.

Deus fala em nossos ouvidos e coração. Quando nós não temos tempo de ouvir e nos fazemos de surdos, ou quando os afazeres de nossa vida como a internet, a novela, o jogo de futebol, o meu egoísmo são mais importantes que Deus, esquecemo-nos d’Ele e buscamos fazer somente a nossa vontade e satisfazer nossos desejos.

Lembremos que alguém espera por nós ou “será que Deus tem que Jogar um tijolo em nós”?

Joseir Sversutti
Seminarista 4º ano de Teologia

terça-feira, 22 de março de 2011

Os caminhos escuros tomados pelos jovens do século XXI

Os passos que, ao longo de nossa vida, vamos dando deixam grandes marcas por onde pisamos e também em nós. Os caminhos que traçamos, as trilhas que percorremos permitem que nos deparemos com o novo, com o extraordinário, com lugares nunca antes descobertos pela nossa imaginação. Uma vida de caminheiro exige muita disposição, controle, força de vontade e despojamento, pois o caminho que se vai percorrer nem sempre é curto e cheio de rosas.

Disposição, coragem, força, garra, determinação são algumas das inúmeras qualidades que encontramos nos jovens caminheiros deste novo século. Eles são meninos e meninas que tanto têm a oferecer, mas que, infelizmente, se encontram em uma sociedade hostil que não lhes permitem sonhar com um projeto de Reino, de Ressurreição e de Amor fraterno, conduzindo-os, ao contrário, por caminhos tortuosos, sem muitas rosas e com muitos espinhos. O que será que nossos jovens vão encontrar ao final desse caminho?

Muitos dos nossos jovens caminheiros decidem trilhar o caminho de suas vidas antes mesmo de prepararem suas bagagens, sem ao menos terem um projeto de vida, um objetivo a ser alcançado. Um exemplo disso, é quando nos deparamos com jovens que sem ter chegado à vida adulta, deixaram seus pais e mães para viver uma vida independente, iludidos por um prazer que dura muito pouco. Creio que muitas vezes, atitudes como essas são reflexos das devastadas informações que a mídia muitas vezes transmite como produto de alienação, gerando conflitos nos modos de enxergar e refletir o mundo.

quarta-feira, 9 de março de 2011

Mensagem do Papa Bento XVI para a Quaresma

“Sepultados com Ele no batismo, foi também com Ele que ressuscitastes” (cf. Cl 2, 12).

Amados irmãos e irmãs!

A Quaresma, que nos conduz à celebração da Santa Páscoa, é para a Igreja um tempo litúrgico muito precioso e importante, em vista do qual me sinto feliz por dirigir uma palavra específica para que seja vivido com o devido empenho. Enquanto olha para o encontro definitivo com o seu Esposo na Páscoa eterna, a Comunidade eclesial, assídua na oração e na caridade laboriosa, intensifica o seu caminho de purificação no espírito, para haurir com mais abundância do Mistério da redenção a vida nova em Cristo Senhor (cf. Prefácio I de Quaresma).

1. Esta mesma vida já nos foi transmitida no dia do nosso Batismo, quando, “tendo-nos tornado partícipes da morte e ressurreição de Cristo” iniciou para nós “a aventura jubilosa e exaltante do discípulo” (Homilia na Festa do Batismo do Senhor, 10 de Janeiro de 2010).

São Paulo, nas suas Cartas, insiste repetidas vezes sobre a singular comunhão com o Filho de Deus realizada neste lavacro. O fato que na maioria dos casos o Batismo se recebe quando somos crianças põe em evidência que se trata de um dom de Deus: ninguém merece a vida eterna com as próprias forças. A misericórdia de Deus, que lava do pecado e permite viver na própria existência «os mesmos sentimentos de Jesus Cristo», é comunicada gratuitamente ao homem.

O Apóstolo dos gentios, na Carta aos Filipenses, expressa o sentido da transformação que se realiza com a participação na morte e ressurreição de Cristo, indicando a meta: que assim eu possa “conhecê-Lo, a Ele, à força da sua Ressurreição e à comunhão nos Seus sofrimentos, configurando-me à Sua morte, para ver se posso chegar à ressurreição dos mortos” (Fl 3, 10- 11). O Batismo, portanto, não é um rito do passado, mas o encontro com Cristo que informa toda a existência do batizado, doa-lhe a vida divina e chama-o a uma conversão sincera, iniciada e apoiada pela Graça, que o leve a alcançar a estatura adulta de Cristo.

O significado da Quaresma

1. O significado da Quaresma

Chama-se Quaresma os 40 dias de jejum e penitência que precedem à festa da Páscoa. Essa preparação existe desde o tempo dos Apóstolos, que limitaram sua duração a 40 dias , em memória do jejum de Jesus Cristo no deserto. Durante esse tempo a Igreja veste seus ministros com paramentos de cor roxa e suprime os cânticos de alegria: O "Glória", o "Aleluia" e o "Te Deum".

Na Quaresma, que começa na quarta-feira de cinzas e termina na quarta-feira da Semana Santa, os católicos realizam a preparação para a Páscoa. O período é reservado para a reflexão, a conversão espiritual. Ou seja, o católico deve se aproximar de Deus visando o crescimento espiritual. Nesse tempo santo, a Igreja católica propõe, por meio do Evangelho proclamado na quarta-feira de cinzas, três grandes linhas de ação: a oração, a penitência e a caridade.

Essencialmente, o período é um retiro espiritual voltado à reflexão, onde os cristãos se recolhem em oração e penitência para preparar o espírito para a acolhida do Cristo Vivo, Ressuscitado no Domingo de Páscoa.

Assim, retomando questões espirituais, simbolicamente o cristão está renascendo, como Cristo.

terça-feira, 1 de março de 2011

1º ENCONTRO VOCACIONAL DE 2011

"FAREI DE TI, PESCADOR DE HOMENS!" (Mt 4,19)

Tivemos a alegria de presenciar o primeiro Encontro Vocacional deste ano, em nossa Arquidiocese. Aconteceu no último final de semana (26 e 27/02) no Seminário de Filosofia, com a presença de 14 jovens disponíveis a ouvir a Vontade do Senhor para suas vidas.

Iniciamos no sábado com um jogo - de “craques” - de Vôlei. Foi bastante divertido e com uma boa convivência entre todos. Havia jovens de diversas cidades de nossa Arquidiocese: Paiçandu, Bom Sucesso, Paranacity e Maringá, sendo metade de paróquias de Maringá. São rapazes com uma boa caminhada cristã e reflexões sinceras sobre sua vida e que estão em busca de um verdadeiro sentido de existir e servir a Deus. Foram tocados pelo Senhor, cada um à sua maneira, e agora se colocaram à disposição para perceberem qual é realmente seu chamado.

Nosso Encontro terminou no domingo, com a Missa presidida pelo nosso Arcebispo, Dom Anuar Battisti, que fez uma bonita homilia sobre sua própria vocação e seu tempo de seminário. Segundo ele, completa esse ano 48 anos que entrou para o seminário em Toledo, com 10 anos de idade. Falou das dificuldades daquela época, certamente diferentes das atuais, mas também da alegria de servir a Deus tanto tempo como padre.

Foram bem acompanhados ainda pelo Pe. Reginaldo Teruel Anselmo, reitor da Filosofia e Promotor Vocacional, do qual ficou forte o testemunho de proximidade e gentileza para com os vocacionados. Um deles até comentou: “Gostei muito desse encontro, acho que por causa da simplicidade. Isso me tocou e me chamou muito a atenção!”.

Encerramos com o almoço após a Missa, no qual também estavam presentes o Pe. Pedro Jorge Delgado Bento e 2 seminaristas que acabaram de ingressar no Seminário Propedêutico: Edvaldo e Maicon. Pedimos a Deus que eles, os participantes desse primeiro Encontro e todos os vocacionados sejam fieis ao chamado que Deus lhes fez e generosos em responder sempre sim ao Senhor!

Aquele que também quiser fazer essa rica experiência de descobrir a sua vocação venha fazer os encontros vocacionais conosco. Todo 4º sábado do mês, com término no domingo. O próximo será dia 26 e 27 de março. Você também está convidado!

VENHA FAZER ESSA EXPERIÊNCIA VOCÊ TAMBÉM!

Rodrigo Gutierrez Stabel
Seminarista do 4º ano da Teologia

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

ENCONTRO VOCACIONAL - VENHA SER UM PADRE DIOCESANO


Encontro vocacional
Dias 26 e 27 de fevereiro. Início no sábado às 16h30 e encerramento no domingo às 14h.

Local
Seminário Maior Arquidiocesano Nossa Senhora da Glória. Avenida Colombo – Rodovia BR 376, KM 130, saída para Paranavaí, quase em frente ao Catuaí Shopping.

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Um novo Diácono para a Arquidiocese de Maringá

Louvores a Deus e agradecimentos aos irmãos e irmãs em minha ordenação diaconal dia 11 de fevereiro de 2011. Abaixo o texto lido por mim ao final da celebração.

“A vida, o amor, a dor, a cruz, a paz. Tudo se junta num viver e expressa-se num ser, em cada ser, em cada homem e mulher, ainda que pequeno.

É o caso deste pequeno homem: quis juntar sua vida, tecida num tapete e entregar ao Sumo Amor que sabe melhor que todos cuidar da vida e realizá-la.

O pequeno homem quis também, assim, que sua vida servisse a outros e se transubstanciasse produzindo vida: aceitou ser pai-pastor.

E iniciou a preparação: oito anos. Ele não esteve sozinho: pai e mãe, pais-pastores, família, amigos, tantos amigos. Ensinando uma canção provisoriamente triste alguns dos familiares e amigos trocaram este chão pela pátria eterna: Maria Edviges e José Marques, Antonia e Júlio Guerra, Júlio Henrique, Elisangela e Rosangela. Foram ao céu interceder pelo pequeno homem.

O anseio por liberdade e verdade e a sede de amor uniu este pequeno homem a outros homens e mulheres numa caminhada cheia de sobressaltos, mas ainda carregada de sentido: pastores, projetos de pastores, mestres e mestras, especialistas em alma humana, doutoras e doutores em artes domésticas e tantas outras vozes e mãos que louvavam a Verdade.

Alguns experientes pais sondaram de perto o pequeno para ensinarem-lhe a paternidade: Altair, Valdir, Sidney, Obelino, Edmar, Luiz, Onildo, Anuar, Jaime: ensinando que não se deve chegar tarde, tem-se que olhar além do muro das dificuldades, há que se disciplinar, é preciso observar-se, e quer nunca se pode descentralizar daquele que merece ser o centro de cada vida.

É chegada a hora deste homem, pequeno homem, próximo de ser pai configurar-se ao Filho Amadíssimo, por meio do serviço no ministério diaconal: Eis aqui, Pai, seu pequeno servo desejoso de ajudar o Senhor a amar seu povo.

Consagrado com a verdade coloco-me a serviço do Amor, a teu serviço Senhor que queres amar e realizar plenamente a vida de teus filhos.


Obrigado irmãos e irmãs
Obrigado, Senhor”.

Diácono Marcos André de Oliveira

Ao Diácono Marcos André as nossas orações e os nossos votos de um ministério fecundo e abençoado pelo Senhor na intercessão de Maria e Santo Cura d'Ars.
Seminaristas da Arquidiocese de Maringá

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

História de um Chamado


Quando eu era criança algumas pessoas olhavam pra mim e diziam “Esse menino tem cara de padre”, ouvindo isso eu respondia “Deus me livre!”. Pois é, os caminhos do Senhor não são os nossos caminhos. Deus não me livrou e aqui estou eu prestes a realizar essa estranha previsão.

Nasci no dia 10 de abril de 1982 em Ivaiporã- PR, primeiro filho dos três de José Antonio de Oliveira e Elisabeth Guerra de Oliveira. A busca por emprego trouxe meu pai pra Maringá e apesar das insistências de minha avó materna e madrinha de batismo, pedindo pra me deixar com ela, minha mãe veio para Maringá depois de meu pai e me trouxe. Passaram por sérias dificuldades, enfrentando-as heroicamente. Depois de morarem na vila Operária, vieram para os inícios do Jardim Campos Elíseos, onde depois de um tempo tiveram minha irmã Solange Maria e meu irmão João Henrique, e abriram um comércio próprio, um bar e mercearia.

Estudei na Escola Municipal Machado de Assis, zona rural de Maringá onde sempre tirei boas notas. Fiz o ensino médio no Instituto de Educação Estadual de Maringá no curso técnico em contabilidade, mas aí as notas já não eram aquelas. Nessa época trabalhava num escritório contábil, estudava, fazia curso de informática e dava catequese na CEB São João Batista.

Terminando o ensino médio não pensava em continuar estudando e consegui emprego numa cooperativa de Maringá. Participando do Grupo de Oração Filhos de Abraão, namorei durante pouquíssimo tempo, e depois do término do namoro começou a surgir uma inquietação: porque não consagrar a vida inteiramente a Deus por meio da Igreja? Eu gostava muito dos assuntos religiosos, era curioso por coisas da bíblia, gostava de defender a minha fé e de ensiná-la e percebia que a Igreja precisava de padres e padres presentes na vida do povo. Fui com um amigo confessar-me na Catedral, padre Nunzio ao me atender perguntou se eu não gostaria de conhecer os encontros vocacionais no seminário. Aceitei o desafio, fui, conheci, gostei e aos poucos me apaixonei por aquela experiência na qual queria me aprofundar.

Em 10 de fevereiro de 2003 entrei no Seminário Arquidiocesano de Maringá. Foram oito anos: um curso de filosofia, um curso de teologia, trabalhos pastorais em várias paróquias da arquidiocese, inúmeras novas amizades novas, inúmeros aprendizados, várias crises vocacionais vencidas com a ajuda e a oração de muita gente.

Agora, eleito pelo arcebispo, eu, Marcos André de Oliveira, serei ordenado diácono a serviço da Igreja, e posteriormente serei ordenado padre.

Escolhi como lema da ordenação diaconal: “Consagra-me com a verdade” (cf Jo 17,17), pois quero ser verdadeiramente consagrado e ter a verdade como ponto de saída e chegada de minha vida e atuação pastoral, tendo a certeza de que a Verdade é Jesus Cristo “Caminho, Verdade e Vida” (Jo 14,6). Ele é o caminho no qual podemos andar e estar seguros, ele é a vida plena, ele é a verdade a qual devemos estar unidos e que ilumina nossa vida e nossos caminhos.

Enfim, gostaria de convidar a todos para celebrarem comigo o momento de minha ordenação diaconal. Será no dia 11 de fevereiro de 2011 na Catedral Basílica Menor Nossa Senhora da Glória de Maringá, às 19h30m.

Ah! Estejam atentos: o Senhor continua chamando. O chamado é sempre para o amor, para a felicidade e para o serviço. A que ele está te chamando?

Marcos André de Oliveira