segunda-feira, 23 de maio de 2011

O Amor pela Santa Cruz


"No dia 22 de maio celebramos a vida santa da esposa, mãe, viúva e depois religiosa: Santa Rita de Cássia que tornou-se popular pela sua intercessão em casos impossíveis. Nascida em 1381 de uma pobre família que muito bem lhe comunicou à riqueza que é viver o Evangelho.
          Desde pequena manifestava sua grande devoção a Nossa Senhora, confiança na intercessão de São João Batista e de Santo Agostinho.
          No coração de Santa Rita crescia o desejo da vida religiosa, porém foi casada pelos pais com Paulo Ferdinando, que de início aparentava de boa índole, porém começou a se mostrar grosseiro, violento e fanfarrão.
          Santa Rita de Cássia grande intercessora sofreu muito com o esposo, até que este foi assassinado e acabou gerando nos dois filhos gêmeos grande revolta e vontade de vingança.
          Ela se entregava constantemente a oração, e ao testemunho de caridade, tanto que perdoou o esposo e assassinos, mas infelizmente perdeu cedo os filhos.
          Como viúva conseguiu a graça de entrar na vida religiosa. Chagada, e em meio a novas situações humanamente impossíveis, conseguiu superar com a graça de Deus todos os desafios pela santidade" (Fonte: http://www.angelfire.com/ar2/jcarthur/starita.htm - acesso 19/05/11).

Olhando para a vida de Santa Rita podemos tê-la como inspiração de vocação. Sua vida no convento foi de tristeza, abandono e desagrado por parte das irmãs que moravam com ela. Muitas vezes na nossa vida as pessoas nos ignoram nos agridem com palavras, e nós nos deixamos abater com todos esses sentimentos que nos afastam da comunhão e do amor com o próximo.

Diante das situações que vivemos e enfrentamos deixamos a nossa fraqueza e o nosso cansaço vencer, mais Santa Rita apesar de todas as angústias, não deixou morrer o seu amor, amor este que precisa de muita dedicação, fidelidade e sofrimento. E este é o exemplo e a mensagem que esse modelo de santidade nos mostra, que a cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, é a única fonte de inspiração, alegria e esperança para caminharmos rumo à santidade, e que o amor maior primeiramente na nossa vida deve ser à Santa Cruz.

Vinícius Alves Martins
Seminarista 1º ano de Filosofia