domingo, 16 de outubro de 2011

Padre Reginaldo Lima, descanse em paz!!!

É com pesar que a Arquidiocese de Maringá comunica o falecimento do padre Reginaldo Lima. O sacerdote, que nos últimos anos exerceu os cargos de Assessor da Comissão Episcopal Pastoral para os Ministérios Ordenados e Vida Consagrada da CNBB e de Secretário do Regional Sul 2 da CNBB, estava internado na Santa Casa de Maringá.

De acordo com boletim médico a causa da morte, constatada às 21h38 dessa sexta-feira, 14, foi falência múltipla dos órgãos decorrente de uma infecção respiratória. O corpo do sacerdote será velado na manhã deste sábado na paróquia São Paulo Apóstolo em Sarandi (Jardim Independência) com missa de corpo presente às 10h. A partir das 12h o corpo será velado na paróquia São Francisco Xavier em Maringá, como missa de corpo presente às 15h. Às 16h será realizado o sepultamento no cemitério Rainha da Paz – Rua Distrito Federal, 1089, em Maringá.

Reginaldo Lima, nascido a 10 de outubro de 1973, em Jandaia do Sul no Estado do Paraná. Ingressou no Seminário Provincial Bom Pastor de Umuarama a 04 de Março de 1992. Em fevereiro de 1993 inicia seu curso de filosofia no Seminário Interdiocesano Nossa Senhora da Glória de Maringá. Concluindo a 02 de dezembro de 1995. No ano de 96 inicia no curso de Teologia no CINTEC (Centro de Teologia de Cascavel) concluindo-o a 10/12/99.

Reginaldo recebeu o ministério de Leitor no dia 06/07/97, na Paróquia Catedral Basílica Menor Nossa Senhora da Glória, das mãos de Dom Jaime Luiz Coelho. E o Ministério de Acólito na Paróquia Jesus Bom Pastor de Paiçandu a 26/07/98. E no dia 27 de Abril de 1999 foi acolhido como candidato oficial ao ministério sagrado pelo Rito de Admissão, por Dom Murilo S.R. Krieger.

No dia 17 de dezembro de 1999 na Paróquia de Marilava, recebeu a Ordenação Diaconal pela imposição das Mãos de Dom Murilo, passando a exercer seu ministério diaconal na Paróquia Catedral. No dia 20/05/2000, recebeu a ordenação Presbiteral, das Mãos de Dom Murilo. Reginaldo escolheu como Lema de seu Ministério Presbiteral: "Eu devo anunciar a Boa Nova do Reino de Deus, pois é para isso que fui enviado" (Lc 4,43). No dia 21/05/2000, assumiu como vigário paroquial da Catedral Basílica Menor Nossa Senhora da Glória de Maringá.

No dia 15/09/2001 foi nomeado pároco da Paróquia Menino Jesus de Praga e São Francisco Xavier em Maringá, função que tomou posse no dia 07 de outubro de 2001, às 19h00 durante celebração Eucarística na Igreja Matriz. Padre Reginaldo foi nomeado a 13 de outubro de 2005 como pároco da Paróquia Nossa Senhora de Lourdes de Paranacity, função que assumiu no dia 15 de janeiro de 2006, na presença de Dom Anuar Battisti e de vários sacerdotes além da comunidade de Paranacity e diversos amigos de Maringá e Região.

Em Janeiro de 2002, Dom Murilo S.R. Krieger nomeou-o Diretor Espiritual do Colégio São Francisco Xavier.

Padre Reginaldo foi eleito presidente da ASPAM (Associação dos Presbíteros da Arquidiocese de Maringá) para o período de dois anos (de 05/2003 a 05/2005) e representante do Clero da Arquidiocese de Maringá para o quadriênio (2004-2007), No Encontro Regional de Presbítero em Pitanga (27 a 30 de outubro de 2003), foi eleito como suplente da Presidência da Comissão Regional de Presbítero para o período de 2004 a 2007. No mês de abril de 2006, foi nomeado secretário da Comissão Regional de Presbítero, para o período de 2006 e 2007.

Membro do Conselho de Presbítero da Arquidiocese deste 2004, foi indicado como secretário do mesmo conselho. Em 17 de fevereiro de 2005, foi apresentado como coordenador da Região Pastoral Centro.

Em Abril de 2005, Padre Reginaldo inicia curso de Mestrado em Direito Canônico pelo Instituto Superior de Direito Canônico de Rio Comprido - RJ, com extensão em Londrina (diploma expedido pela Pontíficia Universidade Gregoriana de Roma).

Dom Anuar Battisti, nomeou dia 12 de junho de 2006, Padre Reginaldo Lima, Defensor do Vinculo e Promotor de Justiça do Tribunal Eclesiástico de Maringá, para um período de 3 anos.

Nos últimos 4 anos, o sacerdote foi Assessor da Comissão Episcopal Pastoral para Ministérios Ordenados e Vida Consagrada da CNBB, em Brasília, deixando o cargo em julho deste ano. A partir desta data ele assumiu o cargo de Secretário do Regional Sul 2 da CNBB. Atualmente morava em Curitiba.



A toda Família Lima as nossas condolências. Que Deus em sua bondade infinita abra as portas de seu Reino para acolhê-lo e que, Nossa Senhora da Glória o conduza para o encontro eterno com o Pai.

Padre Reginaldo Lima, descanse em paz. Jamais cessaremos nossas orações por você. Obrigado pelo exemplo e testemunho de vida e de amor pelo Ministério Sacerdotal.

Seminaristas de Maringá

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Nossa Senhora da Conceição Aparecida: “Eles não tem mais vinho” (Jo 2,3)

Encontrada em 1717 pelos três pescadores Domingos Garcia, Filipe Pedroso e João Alves, que estavam a pescar no Rio Paraíba, localizado no Porto de Itaguassu, Maria, a Senhora de Aparecida, é o esplendor do amor de Deus pelo nosso Brasil. Ela vela por nós e concede a cada dia pela sua intercessão a graça de permanecermos junto ao seu Filho Jesus.

Mas, qual a ligação do título do texto com a Solenidade de Nossa Senhora Aparecida? Em primeiro lugar, o vinho é símbolo da alegria, da festa, do sangue eucarístico, bem como da nova era messiânica já presente na pessoa de Cristo. Assim sendo, nas bodas de Caná, faltou o vinho, a alegria e isso simboliza que a festa deve ser encerrada, mas Maria intercede pelos homens. Num gesto de amor, dom gratuito de Deus, pede a Jesus que lhes dê mais vinho para que a alegria não se acabe e a festa não se encerre (cf. Jo 2,1-11). Da mesma forma, a Senhora de Aparecida revelou-se ao nosso Brasil a fim de renovar-nos as esperanças, mais que isso, sua aparição é sinal vivo e permanente do olhar vigilante da Mãe sobre seus filhos que quando necessitam está por perto para lhes ajudar.

Uma Imagem de cor negra, que é capaz de mostrar a beleza e a riqueza de uma raça oprimida, explorada dedicada a servir os nobres de nosso País. Uma Imagem de cor negra, refletindo o amor de Mãe aos filhos. Uma Imagem de cor negra capaz de libertar da escravidão todos os que a Ela recorrem. Essa é Maria, a Virgem Mãe, Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil.

A devoção a Senhora de Aparecida deve fazer nosso coração arder de amor por Jesus Cristo. Nossa confiança n’Ela depositada deve conduzir-nos Àquele que é o “Caminho, a Verdade e a Vida” (Jo 14,6). “Em Maria, nós cristãos aprendemos a contemplar a beleza do rosto de Cristo e a experimentar a profundidade de seu amor. Através da oração do Rosário, recebemos abundantes graças, como que se a recebêssemos das próprias mãos da Mãe do Redentor” (Documento de Aparecida, n. 271).

Por fim, caríssimos, a Virgem Mãe de Aparecida é o reflexo de todos nós, povo brasileiro. De tudo podemos nos esquecer neste mundo, menos de Maria, pois quando vier o vinho a faltar será Ela a interceder por nós junto a Jesus. Que Ela derrame abundantes graças sobre o nosso Brasil, sobre nossas famílias e, mais que tudo, que Ela derrame sobre nós o amor de seu Filho Jesus Cristo.

Deus nosso Pai, quisestes dar ao povo brasileiro a renovação da fé e da vida por meio de vossa Mãe, sob o título de Nossa Senhora da Conceição Aparecida. Jesus nosso irmão, como Filho, olhastes do alto da Cruz e presenteaste-nos com Maria quando disseste: “Filho, eis aí tua Mãe” (Jo 19,26). Espírito de Deus, que ao vir sobre Maria fizestes com que Ela gerasse e desse à luz o Filho de Deus, fazei com que cada um de nós gere e possa dar a luz a Jesus nesse mundo pela escuta da Palavra e na celebração dos Sacramentos.

Maria, Virgem e Mãe, Senhora de Aparecida, o que podemos lhe dizer? Simplesmente que te amamos, ó Mãe querida, cheia de graças, pois em ti conhecemos a salvação. Que no louvor de nossas vidas Tu sejas sempre lembrada para que nossos corações possa ouvir tua voz que diz: “Fazei tudo o que Ele vos disser” (Jo 2,5).

Neri Dione Squisati
Seminarista 2º ano de Teologia

domingo, 2 de outubro de 2011

“Passarei o meu céu fazendo o bem na terra” (Santa Teresinha do Menino Jesus – Padroeira das Missões)


O mês de Outubro é dedicado a diversas iniciativas que fortaleçam o trabalho missionário de anúncio do Evangelho pelo mundo. Dessa forma, a Igreja convida a todos nós a durante este mês intensificarmos as nossas orações por todas as obras missionárias e a no penúltimo domingo deste mês (dia 23) contribuir com as obras missionárias levando uma pequena doação às missas em nossas paróquias, lembrando que “toda a Igreja é missionária e a obra da evangelização é um dever fundamental do povo de Deus” (Ad Gentes, n. 35). Neste ano, a Campanha Missionária tem como tema Missão na Ecologia e, como lema “A misericórdia de deus é para todos” (Eclo 18,22b).

Nesse espírito de missão, no dia 1º do mês a Igreja nos convida a celebrar a memória de Santa Teresinha do Menino Jesus que, em 1929 foi escolhida como a Padroeira das missões pelo Papa Pio XI. Mas, Santa Teresinha não viveu sua vida dentro de um convento? Como pode então ser considerada Padroeira das Missões? Pois bem, mais do que além-fronteiras o primeiro espaço de missão de cada um de nós é nossa casa. Nesse sentido, Santa Teresinha mostra-nos que toda sua vida foi dedicada à oração pela consagração dos sacerdotes e nisso consistiu sua missão. O exemplo de Santa Teresinha ultrapassou os muros de seu convento, sua missão foi frutuosa, cheia de vida. Cumpriu o seu desejo: “Passarei o meu céu fazendo o bem na terra”.

De fato, Santa Teresinha do Menino Jesus compreendeu bem o que é ser missionário, o que é ter espírito de missão. Como ela mesma dizia: “Ó Jesus, meu amor, encontrei afinal minha vocação: minha vocação é o amor”. O espírito de missão exige tamanha abertura para o novo, exige ternura para o acolhimento do diferente, exige assim como na parábola do Bom Samaritano (Lc. 10,30-37), disponibilidade e vontade de servir, isto é, exige amor. O missionário “deve estar preparado a dedicar a vida à sua vocação, a renunciar a si e a tudo o que até então considerou seu, e a fazer-se tudo para todos” (Ad Gentes, n. 24).

Assim como Cristo foi enviado ao mundo pelo Pai para realizar uma missão que garanta o homem o direito de participação no Reino dos céus, assim Ele envia a cada um de nós quando exclama “Ide, pois, e fazei discípulos meus todos os povos, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a observar tudo quanto eu vos mandei. E eis que estou convosco todos os dias até o fim do mundo” (Mt 28,18-20). Agora é a nossa vez, devemos aceitar o chamado de Jesus e dar testemunho de tudo quanto recebemos da Igreja a fim de que Cristo se torne conhecido por todos.

Caríssimos, para ser um missionário não se faz necessário ser padre, religioso (a), seminarista. Basta amar a Deus, a Cristo e a Igreja. Basta estar aberto ao Espírito Santo deixando com que Ele mesmo ilumine a nossa vida e que a luz que está em nós resplandeça em toda a terra (Mt 5,14-16).São Paulo em sua primeira carta aos Coríntios 9,16 exclama “Ai de mim se eu não evangelizar”. Esse é o sentimento que todos nós deveríamos ter. Todos somos batizados, todos somos responsáveis de fazer o anúncio do Evangelho.

Mais uma vez faço uso dos ensinamentos de Santa Teresinha, Padroeira das Missões: “No coração da Igreja, minha mãe, eu serei o amor e desse modo serei tudo, e meu desejo se realizará”. O que mais dizer a respeito de tão grande missionária? Realmente, a missão começa dentro de si mesmo, fazendo com que o próprio coração seja capaz de aceitar a proposta de amor de Cristo. Com certeza a maior de todas as missões ainda a ser realizadas neste mundo é aquela deixada por Jesus: “Amar a Deus e ao próximo como a si mesmo” (Mc 12,33). Quando compreendermos o tamanho dessa missão e a colocarmos em prática esse será um grande passo rumo a Jerusalém Celeste.

Por fim, falar de missão não é fácil. É mais fácil sê-lo. Você não sabe como? Ame sua família, participe de sua comunidade, seja um verdadeiro testemunho do amor a Deus e ao próximo e com certeza te tornarás um grande missionário. Não são as grandes ações, mas é um grande coração que é capaz de fazer ecoar no mundo a mensagem do Evangelho.

Que pelo exemplo e testemunho de Santa Teresinha do Menino Jesus e de tantos missionários (as) que dedicaram sua vida ao anúncio do Evangelho que cada um de nós se sinta chamados a essa missão e nos coloquemos a serviço de Cristo e da Igreja a fim de que “Cristo seja tudo em todos” (Col 3,11).


 
Neri Dione Squisati
Seminarista 2º ano de Teologia