sexta-feira, 11 de julho de 2014

Cidade “indormível”

Relato a experiência minha e de muitos outros. Falo da minha cidade, mas o problema é também de outras: há noites em que é impossível dormir. Como esta. Levanto-me e vou escrever. São quatro da madrugada. Desde as duas, estive me virando na cama. Não é insônia. É o ruído que sobe da rua. Como a coisa mais normal do mundo. Vozerio e gargalhadas que furam até janela antirruído. Quem não pode comprar isolamento acústico tem que fugir para o campo? Noites de sexta e de sábado, em especial, são um suplício. Jovens (e não jovens) varam a noite conversando e rindo alto. Danem-se os panacas que tentam descansar como gente normal. Calculo o tormento dos pobres pais de crianças pequenas. “Varam a noite” não é exagero. Quem se levanta às seis da manhã ainda os vê na calçada. Latinhas e garrafas vazias foram descartadas diretamente no passeio ou na sarjeta. Ainda que perto se encontrem cestos de lixo. Para que se preocupar com isso? Nossas calçadas e ruas são tão espaçosas!
Não sou um ermitão confinado por engano na urbe. Nem defendo o replantio da antiga floresta dos ruídos de animais noctívagos. Entendo muito bem que vivemos numa cidade, não mais na selva bruta. A cada cidadão é assegurado o direito de usar os espaços públicos. Respeito a liberdade de reunião, assim como a de conversar na calçada o quanto se queira. Mas não num volume próprio de torcida de futebol. Há limites aceitos e respeitados por pessoa minimamente civilizada. Que me perdoe quem discorda, mas desprezar normas legítimas de convivência não é atitude cidadã. Cidadão reconhece aos outros o mesmo que exige para si. Mostrem-me um único ser normal que concorde com algazarra a lhe impedir o justo descanso. O sono é necessidade fundamental da natureza humana. Não existe a pretensa liberdade de incomodar o repouso alheio. Pelo menos da meia-noite às seis da manhã. O direito que alguns têm de se manterem acordados é o mesmo que os outros têm de dormir. Não posso impedir que desocupados passem a noite inteira batendo papo na rua. Mas eles, igualmente, não podem infernizar meu repouso em horas mortas da noite. Já nem digo a partir das vinte e duas, como estabelece a lei. É triste perceber que, para alguns, leis existem para serem infringidas. E para os “espertos” rirem dos tolos que as observam.
Nem sempre os artistas se limitam a conversas e cachinadas estrondosas. Há também o tosco som automotivo. Idiotices musicais de qualidade mais que discutível, golpes como de bate-estacas, composições de gosto de besouro e palavreado chulo... Às vezes, por poucos minutos. O estrago, porém, está feito. Já acordaram dez quadras em volta. E lá se vai o paspalho, estupidamente feliz, azucrinar moradores de outros cantos. Isso quando não se fazem ouvir, assim do nada, berros histéricos, palavrões cabeludos, assuada gratuita, como se a rua estivesse tomada pelo surto psicótico de algum infeliz.
A querida Maringá, que brotou da mata, abriga uns riquinhos que nada produzem, mas incomodam meio mundo. São mais broncos que os machadeiros da antiga derrubada. Os pobres trabalhadores braçais projetavam um futuro radioso para os filhos. Os pernósticos moderninhos só enxergam o próprio umbigo. Cultura não se identifica com usar carro importado, vestir roupa de grife e ocupar vaga de universidade.
A solução? Queixar-se aos órgãos competentes, muitos aconselham. Mas será que adianta?
Padre Orivaldo Robles

Nenhum comentário: